“O Erro das Mixtapes” por Mondlane Neto

Lembro-me como se fosse hoje, da primeira vez que curti uma Mixtape de Hip hop. A sensação quase-histórica que vivi ao ouvir pela primeiríssima vez aquilo que foi considerado durante décadas como a maior impulsionadora, em uma não intencionada campanha massiva de divulgação da cultura Hip Hop, era de realização e académica. New York Reality Check 101, foi a primeira mixtape que ouvi e explorei. Apresentada (Hosted) por ninguém mais, ninguém menos do que uma das figuras mais emblemáticas da Cultura Hip Hop, DJ Premier.

As OrigensImagina que és um dos Dj’s mais conhecidos da área em que vives, à quem o bairro todo recorre para eventos e festas de rua. Ninguém falta uma festa onde tocas. A tua festa é aderida por personagens públicas, não só da tua área mas de áreas vizinhas também e, depois da festa o bairro comenta o sucesso que foi a festa por duas ou mais semanas seguidas. As musicas que tocastes foram de tal maneira marcantes que os peeps ainda saboreiam cada break beat, scratch, blend. A voz entusiasmada do Mc sobre o Mic a levar o pessoal à um clímax histérico, faz querê-los viver o mesmo momento mais uma vez. Mas tu como DJ, estás consciente de que cada festa é única, e o momento delirante que o pessoal viveu naquela festa já não volta, mas sabes que há uma maneira de os pôr a viver de forma individual ou colectiva (entre amigos), aquele momento.

Assim Surgem as MixtapesA necessidade e a procura das musicas que foram tocadas na festa que organizastes é tão grande que, decides gravar o mesmo set da noite e pôr em cassetes. Mas, ao gravares, alteras os scratches, os blends e em vez de colocares somente o Mc, és tu também no Mic a mandar Hollas e Shout outs para todo o pessoal que esteve presente na festa; quer sejam para imagens públicas, como para amigos chegados. A título de exemplo: “- shout out para o Coreon Du por ter aparecido com as duas sistas de Miami, Big up para o Mc X que rebentou com a noite”. Depois de gravado o set, fazes cópias do mesmo set em mais de 100 cassetes e vais vendendo nas ruas, sobre a descrição da festa, como título da Mixtape e, com o teu Nome bem estampado na frente ” DJ Mixe Bem”.
O pessoal, claro, já sabia de que festa se trata e compra massivamente. Estas mixtapes sofrem cópias caseiras e saem do controlo do DJ. E, sem que te apercebas as, musicas tornam-se famosíssimas, os Mc’s ganham um protagonismo enorme, tornam-se famosos ao ponto de serem chamados a fecharem contractos discográficos por gravadoras grandes e o DJ? O DJ, ganha o respeito das ruas merecido. Torna-se uma marca.  

Elementos de Uma MixtapeO DJ e o Mc são elementos importantes em uma Mixtape mas, mais do que o Mc, o DJ é o elemento predominante, se não mesmo a essência de uma Mixtape.
Uma Mixtape pode existir sem o Mc, mas nunca sem o DJ.
Mixtapes são caracterizadas pelos cortes (cuts) e blendings de musicas que eram quebradas em pedaços pelo DJ. Sobre esses cuts o Mc movimentava os peeps, e mantinha a festa a rolar. O DJ retocava os sons com scratches, passando de um break beat para o outro. Nota bem que era o DJ que introduzia estes elementos e não o Mc. O Mc fazia tudo sobre indicação do DJ, claro que a liberdade criativa do Mc não era negligenciada mas, entende que o DJ era o protagonista… era o DJ que preparava o set em cassetes, voltava a gravar, introduzindo os mesmos elementos e punha-os nas ruas para consumo.
ConclusãoAgora diz-me, se o que tirastes para as ruas, e colocastes para baixar, deves chamar de Mixtape?
Fonte: HIP HOP ANGOLANO
Share on Google Plus

About Isá Gildo Electromoz

Se me conheces com base no meu passado, permita-me que eu me apresente novamente!